Início | Bio | Transparência | Galeria | Links | Contactos
      English
  OK  
Parlamento
Arquivo
Artigos
Notícias
direitoshumanos
segurancaedefesa
libia
integridadeetransparencia
fiscalidade
submarinos
envc
justicaeassuntosinternos
vistosgold
vooscia
 
 
Artigos
11/05/2019
Arigo de opinião no Jornal de Notícias "A falta que a Europa faz..."

Um ano depois de Trump retirar os EUA do Acordo Nuclear com o Irão (negociado pela Administração Obama juntamente com UE, Rússia e China), Teerão ameaça também desvincular-se. Para assim retomar o enriquecimento de urânio sem controlo da Agência Internacional de Energia Atómica, ou seja, para retomar o programa de armamento nuclear...

Teerão atua em jeito de ultimato à UE, que se tem revelado incapaz de acionar o mecanismo financeiro que criou com vista a cumprir as contrapartidas de desbloqueamento económico prometidas ao povo iraniano pelo Acordo. Mas com o povo iraniano (mais de 80 milhões de pessoas) poucos parecem importar-se: isolar mais o regime dos mullahs faz o jogo dos radicais, não serve para apoiar quem na sociedade iraniana anseia e luta por liberdade, democracia e direitos humanos... E, conhecendo o Irão, percebe-se que se lida com uma civilização milenar, nada a ver com construções de base tribal engalanadas a petrodólares...

Este é um Irão que desespera: face a devastadoras cheias que fizeram cerca de 100 mortos e mais de mil feridos em março último, as autoridades em Teerão não tinham sobressalentes para mandar aviões e helicópteros em socorro da população; numa economia já asfixiada a que o FMI vaticina uma baixa de 6%...

Mas quem não exaspera e desespera face à inércia europeia para travar, ou ao menos contrariar, o impacto das sanções americanas? Sanções que servem para a extrema-direita belicista no poder nos EUA, Israel e Arábia Saudita esticar a corda, salivando por atacar o Irão, sem cuidar de precipitar o Médio Oriente, e o Mundo, em nova espiral destrutiva?

À conta das políticas neoliberais, estes governos europeus já não governam muito, realmente. Mas ainda menos deixam instituições europeias, como a Comissão Europeia ou a Alta Representante para a Política Externa, governar. Não conseguiram sequer travar bancos e empresas alemãs e francesas de fugir a correr do Irão, com medo de retaliações da Administração Trump. Ora quem pouco nos governa, muito menos nos defende... E assim, por falta de Europa, estamos à beira de mais uma crise na segurança global. E, desta vez, de consequências imprevisíveis, a ameaçar fazer as guerras em curso na Síria, Iémen ou Líbia parecerem apenas ensaios...

 

 
 
Desenvolvido por: mediaFoundry © 2019 Ana Gomes. Todos os direitos reservados.