Início | Bio | Transparência | Galeria | Links | Contactos
      English
  OK  
Parlamento
Arquivo
Artigos
Notícias
direitoshumanos
segurancaedefesa
libia
integridadeetransparencia
fiscalidade
submarinos
envc
justicaeassuntosinternos
vistosgold
vooscia
 
 
Submarinos
17/06/2015
Submarinos: Provedora de Justiça Europeia questiona Comissão Europeia sobre queixa de Ana Gomes

Bruxelas, 17 de Junho 2015 - Em carta dirigida a Ana Gomes, a Provedora de Justiça Europeia, Emily O'Reilly, informa a eurodeputada socialista que pediu à Comissão Europeia (CE) que explique porque não forneceu uma resposta satisfatória à queixa submetida por Ana Gomes em 2010 por violação das regras de direito europeu, relativamente à compra de dois submarinos pelo Estado português ao consórcio alemão German Submarine Consortium (GSC) e respectivo contrato de contrapartidas. Para Ana Gomes, resulta claro de todo o processo de contratação que as contrapartidas dos submarinos acordadas em 2004 violam os tratados europeus.

As diligências levadas a cabo pela Comissão no tratamento da queixa movida por Ana Gomes terminaram em Março de 2014, com uma carta assinada pelo ex-comissário para o Mercado Interno Michel Barnier, que justificou o fim do procedimento com a transposição por Portugal das Diretivas relativas à contratação pública no setor da Defesa e com a previsão da execução completa dos contratos de contrapartidas em 2015, após sucessivas renegociações. Insatisfeita com as respostas da Comissão, Ana Gomes fez, subsequentemente, participação do caso à Provedora de Justiça da UE.

Emily O'Reilly vem, assim, dar preliminar fundamento às objeções de Ana Gomes no que respeita à renegociação do contrato de contrapartidas ocorrida em 2012, já depois da entrada em vigor das referidas Diretivas, e também depois de a Comissão Europeia ter emitido uma "Guidance Note" (Nota de Orientação) sobre contrapartidas, na qual determina em que condições são admissíveis face ao direito europeu - devem prosseguir um "interesse essencial de segurança" e estar diretamente relacionadas com o contrato principal, neste caso com a manutenção dos submarinos.

Segundo pode ler-se na carta dirigida à eurodeputada socialista, a Provedora entende que a Comissão deve explicar porque não actuou para pressionar o governo português a actuar de acordo com as normas europeias quando renegociou os contratos de contrapartidas em 2012 e 2014, e substituiu os projetos anteriores por outros projetos civis - nomeadamente a recuperação de um hotel no Algarve e, depois, o investimento num projeto de energia eólica.

A Comissão Europeia tem até 30 de Setembro para responder à interpelação da Provedora de Justiça.

Fim.

 

 

 

 
 
Desenvolvido por: mediaFoundry © 2019 Ana Gomes. Todos os direitos reservados.